Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2010

Como formatar um pen drive no Linux

Primeiro vamos identificar nosso pendrive com o comando mount A saida do comando sera portal on /run/user/1000/doc type fuse.portal (rw,nosuid,nodev,relatime,user_id=1000,group_id=1000) tmpfs on /run/snapd/ns type tmpfs (rw,nosuid,nodev,noexec,relatime,size=1626292k,mode=755) nsfs on /run/snapd/ns/whatsdesk.mnt type nsfs (rw) /dev/sdb1 on /media/junior/538B-BA22 type vfat (rw,nosuid,nodev,relatime,uid=1000,gid=1000,fmask=0022,dmask=0022,codepage=437,iocharset=ascii,shortname=mixed,showexec,utf8,flush,errors=remount-ro,uhelper=udisks2) Assim que identificamos (no meu caso foi o /dev/sdb1) iremos desmontar o pendrive sudo umount /dev/sdb1 Para o sistema de arquivos vFAT (FAT32) sudo mkfs.vfat /dev/sdc1 Para sistema de arquivos NTFS sudo mkfs.ntfs /dev/sdc1 Para o sistema de arquivos EXT4 sudo mkfs.ext4 /dev/sdc1 Agora vamos criar nosso pendrive com um vmware (como exemplo) sudo dd if=/home/junior/Downloads/isos/vmware7.iso of=/dev/sdb status=progress && sync

Recuperação de senha com inicialização privilegiada GRUB

Então, nunca aconteceu com você esquecer a senha de root de um sistema linux ou até mesmo que a empresa atual tenha rescindido o contrato com a empresa anterior que dava suporte a TI? A primeira coisa que você tem que fazer é acessar o sistema para efetuar seus principais bloqueios para evitar falhas de segurança ou que até mesmo o "suporte" antigo ferre com tudo. * selecione no menu do GRUB a opção que dará boot no GNU/Linux e não digite o ENTER; * digite a letra "e"; * selecione a linha que começa com kernel; * digite a letra "e" novamente; * digite no fim da linha: "init=/bin/bash" (sem aspas); * digite ENTER e, depois, a letra "b"; Quando o sistema terminar de dar o boot, digite no console: #mount -o remount,rw / Depois disso, digite #passwd root e entre com a nova senha de root Reinicialize o sistema.

1. Administração de Redes Linux I (Redes de Computadores)

Como prometido, este é o primeiro POST do treinamento que vou efetuar no blog, ou seja, tentar passar de uma forma direta e corporativa sem muitas "viagens" o que é uma Rede de Computadores no meio Corporativo. Conceito: Uma rede de computadores nada mais é do que 02 ou mais computadores interligados através de um meio físico podendo ser switch ou hub entre outros onde podemos trafegar dados. Cenário Atual: No meu cenário atual, tenho uma estrutura de rede conforme abaixo: 01 servidor de dados (Intel(R) Xeon(TM) CPU 3.20GHz) 01 servidor de correio (Intel(R) Xeon(TM) CPU 3.00GHz) 01 servidor firewall (AMD Sempron(tm) Processor 3100+) 01 servidor virtual (rodando VMware Server 2.0 mas vou fazer upgrade com o ESXI 4.0) Observação : neste servidor virtual instalei 05 maquinas virtuais pois as máquinas "antigas" além de gastar energia e correr o risco de eu perder tempo com manutenção foram substituídas por virtuais. Resumo: Então através de serviços que iremos ver

Master Reset Samsung GT B7300

Uma dica muito útil é o master reset que traz as configurações de fábrica do equipamento. Para o equipamento Omnia Lite 7300 utilize: Master-Reset: *2767*3855# Att Junior.

A História do Debian

Encontrei a referencia abaixo e resolvi fazer o POST no blog. ref:  http://pt.wikipedia.org/wiki/Debian#Vers.C3.B5es_do_Debian V ersões do Debian O ciclo de desenvolvimento das versões do Debian passa por três fases: "Unstable" - instável "Testing" - teste " Stable " - estável Quando as versões estão na fase "testing" elas são identificadas por codinomes tirados dos personagens do filme  Toy Story . Ao se tornarem "stable" as versões recebem um número de versão (ex: 5.0). Versões, codinomes e datas em que se tornaram "stable": 5.0—Lenny  15 de fevereiro  de  2009 4.0—Etch,  8 de abril  de  2007 3.1—Sarge,  6 de junho  de  2005 3.0—Woody,  19 de julho  de  2002 2.2—Potato,  15 de agosto   2000 2.1—Slink,  9 de março  de  1999 2.0—Hamm,  24 de julho   1998 1.3—Bo,  2 de junho  de  1997 1.2—Rex,  1996 1.1—Buzz,  1996 A Versão "testing" atual é a "Squeeze" (6.0). A versão "unstable" t

O bom e velho laço for

Muitas vezes necessito criar, copiar ou remover vários arquivos de uma só vez. Para isso conto com um comando do Linux que acho muito importante no Linux, o laço for. Para ficar mais prático, vou dizer o que acontece comigo todos os dias. Tenho um servidor de automação comercial e todo inicio do mês preciso apagar os arquivos temporários e cria-los novamente. Então imagina se eu tivesse que criar todos eles novamente manualmente. Estrutura do diretorio (servidor que eu admimistro): /servidor/afv/ dentro dele tenho vários vendedores, ou seja, 001, 002, 003 e assim por diante até o numero 100. Se fosse de forma manual seria: removendo os diretórios = rm -rf 001 | rm -rf 002 até rm -rf 100 Após remover os mesmos, devo criar novamente: criando diretorios = mkdir 001 | mkdir 002 até mkdir 100 Mas como existe o laço for otimizo isso para uma linha de shell sendo: for i in `seq -w 1 100`;do mkdir $i;done Com isso crio 100 diretórios em menos de 1seg. E assim vai abaixo mais alguns